brt 46

Milho cai nesta 6ª feira, acumula até 7% de perda semanal e fecha junho recuando na B3

Publicado em 30/06/2023 17:13
Chicago despenca no último dia da semana e acumula desvalorização de 16% e perda mensal

Logotipo brt 46

A sexta-feira (30) chega ao final com os preços futuros do milho recuando na Bolsa Brasileira (B3). As principais cotações flutuaram na faixa entre R$ 53,45 e R$ 62,30, acumulando desvalorização semanal e mensal. 

O vencimento julho/23 foi cotado à R$ 53,45 com queda de 1,89%, o setembro/23 valia R$ 55,33 com desvalorização de 2,21%, o novembro/23 foi negociado por R$ 59,17 com perda de 1,56% e o janeiro/24 teve valor de R$ 62,30 com baixa de 1,42%. 

No acumulado semanal, os contratos do cereal brasileiro contabilizaram desvalorizações de 4,88% para o julho/23, de 7,64% para o setembro/23, de 6,33% para o novembro/23 e de 5,85% para o janeiro/24, em relação ao fechamento da última sexta-feira (23). 

variação semanal do milho b3

Já na comparação mensal, as cotações do milho na B3 acumularam perdas de 0,80% para o julho/23, de 3,44% para o setembro/23 e de 0,39% para o novembro/23, além de alta de 0,34% para o janeiro/24, com relação ao fechamento do dia 31 de maio.

variação mensal do milho b3

Na visão de Anderson Galvão, da Céleres Consultoria, o avanço da colheita da segunda safra vai trazer mais pressão negativa para os preços do milho no curto prazo. Porém, a partir de agosto e setembro, a alta demanda por exportação deve trazer um certo alívio para as cotações do cereal. 

No mercado físico brasileiro, o preço da saca de milho também recuou neste último dia da semana. O levantamento realizado pela equipe do brt 46 não identificou valorizações em nenhuma das praças. Já as desvalorizações apareceram em Ubiratã/PR, Londrina/PR, Castro/PR, Marechal Cândido Rondon/PR, Pato Branco/PR, Palma Sola/SC, Sorriso/MT, Maracaju/MS, Campo Grande/MS, Eldorado/MS, Cândido Mota/SP, Campinas/SP e Porto de Santos/SP. 

Confira como ficaram todas as cotações nesta sexta-feira 

Para o analista de mercado da Brandalizze Consulting, Vlamir Brandalizze, o segundo semestre deve trazer mais demanda para o milho brasileiro e até uma disputa entre China e Irã pelo milho do Brasil. 

“Isso dá um suporte às cotações. As cotações estão entre R$ 59,00 e R$ 63,00 no Porto de Paranaguá de agosto a dezembro. O balcão gaúcho fica entre R$ 51,00 e R$ 53,00 e o restante do Sul e Sudeste entre R$ 43,00 e R$ 53,00”, aponta Brandalizze. 

Mercado Externo 

Os preços internacionais do milho futuro despencaram nesta sexta-feira na Bolsa de Chicago (CBOT) e acumularam grandes perdas semanais, registrando recuos ao longo do mês de junho. 

O vencimento julho/23 foi cotado à US$ 5,54 com queda de 26,50 pontos, o setembro/23 valeu US$ 4,88 com desvalorização de 35,00 pontos, o dezembro/23 foi negociado por US$ 4,94 com perda de 33,75 pontos e o março/24 teve valor de US$ 5,06 com baixa de 32,25 pontos. 

Esses índices representaram quedas, com relação ao fechamento da última quinta-feira (29), de 4,65% para o julho/23, de 6,69% para o setembro/23, de 6,44% para o dezembro/23 e de 5,95% para o março/24. 

No acumulado semanal, os contratos do cereal norte-americano contabilizaram desvalorizações de 12,06% para o julho/23, de 16,44% para o setembro/23, de 15,99% para o dezembro/23 e de 15,10% para o março/24, em relação ao fechamento da última sexta-feira (23). 

variação semanal do milho cbot

Já na comparação mensal, as cotações do milho na CBOT acumularam perdas de 6,73% para o julho/23, de 5,43% para o setembro/23, de 5,18% para o dezembro/23 e de 4,71% para o março/24, com relação ao fechamento do dia 31 de maio. 

variação mensal do milho cbot

Segundo informações do site internacional Farm Futures, os preços do milho despencaram depois que o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) observou que as plantações de 2023 estão mais de 5,5 milhões de acres acima dos níveis de 2022, o que desencadeou uma rodada considerável de vendas técnicas na sexta-feira. 

“A nova estimativa do USDA para acres de milho chocou os analistas depois de saltar 6% a mais em relação ao ano anterior, para 94,1 milhões de acres, um aumento de 5,52 milhões de acres em relação a 2022, e também 2 milhões de acres acima da estimativa comercial média de 91,853 milhões de acres. É o terceiro maior plantio de milho desde 1944”, aponta BenPotter da Farm Futures. 

Já segue nosso Canal oficial no WhatsApp? Clique Aqui para receber em primeira mão as principais notícias do agronegócio
Por:
Guilherme Dorigatti
Fonte:
brt 46

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário

    brt 46 Mapa do site