blogabet

Milho: Em Chicago, mercado opera com leves perdas na manhã desta 4ª feira

Publicado em 04/02/2015 07:52

Na Bolsa de Chicago (CBOT), os futuros do milho trabalham em campo negativo na manhã desta quarta-feira (4). Por volta das 8h40 (horário de Brasília), as principais posições da commodity exibiam leves quedas entre 1,50 e 1,75 pontos. O vencimento março/15 era cotado a US$ 3,84 por bushel.

As cotações do cereal, que vinham sendo pressionadas nos últimos dias, frente a relação confortável entre oferta e demanda mundial, subiram forte nesta terça-feira, com a volta dos fundos ao mercado. O contrato maio/15 fechou o pregão a US$ 3,93 por bushel, maior patamar desde 23 de janeiro.

De acordo com informações do consultor de mercado da Brandalizze Consulting, Vlamir Brandalizze, destaca que, nos níveis de US$ 3,60, o mercado se torna comprador. Contudo, os fundamentos ainda são baixistas aos preços, porém, o rally nas cotações pode durar mais alguns dias.

Veja como fechou o mercado nesta terça-feira:

Milho: Na BM&F, mercado encerra pregão em alta e março/15 busca os R$ 29/sc

Na BM&F Bovespa, as cotações futuras do milho terminaram a sessão desta terça-feira (3) com forte alta. As principais posições da commodity exibiram valorizações entre 1,94% e 2,28%. O vencimento março/15 era negociado a R$ 28,75 a saca, depois de ter encerrado dia anterior a R$ 28,18 a saca.

As cotações avançaram, apesar da queda registrada no câmbio. Nesta terça-feira, a moeda norte-americana fechou a R$ 2,6940 na venda, com perda de 0,78%. Na mínima do dia, o dólar chegou a tocar o nível de R$ 2,6885. Segundo informações da agência Reuters, os rumores de que Graça Foster poderia deixar o cargo da Petrobras e também do bom humor do mercado externo.

Nos últimos dias, o mercado tem acompanhado a movimentação do dólar. Já a partir desse mês, a expectativa é que o mercado comece a observar as projeções para a safrinha.

Mercado interno

No mercado interno brasileiro, o dia foi de poucas negociações. A maioria das praças mantiveram os valores e, apenas no Porto de Paranaguá, o valor subiu 1,72%, com a saca a R$ 29,50 para entrega em outubro de 2015, conforme levantamento realizado pelo blogabet. Em Jataí (GO), a cotação recuou 1,00%, e a saca era cotada a R$ 19,80.

Para o analista de mercado da Scot Consultoria, Rafael Ribeiro, o mercado tem andado de lado nos últimos dias. "Temos fatores altistas e baixistas rondando o mercado. Os estoques são elevados, para o final dessa safra, a projeção é de 18 milhões de toneladas, e temos a pressão com início da colheita da safra de verão e maior disponibilidade do produto", explica.

Em contrapartida, há a redução na área destinada ao milho na primeira safra e as incertezas climáticas, que refletem em uma estimativa de recuo na área e dos investimentos da safrinha, conforme sinaliza o analista. "As exportações brasileiras é um fator que tem contribuído para que os preços não caiam. Até a 5ª semana de janeiro, as exportações brasileiras de milho totalizaram 3.195,4 milhões de toneladas, o que surpreendeu o mercado", diz Ribeiro.

Em relação à safrinha, o analista ainda ressalta que, a janela ideal de plantio ficou bastante estreita devido ao atraso no plantio da soja. "Com isso, área menor e também uma diminuição nos investimentos, acreditamos que os preços deverão ficar mais firmes no médio e longo prazo", ressalta o analista. 

Bolsa de Chicago

As cotações futuras do milho negociadas na Bolsa de Chicago (CBOT) encerraram o pregão desta terça-feira (3) com altas de mais de dois dígitos. As principais posições do cereal exibiram ganhos entre 15,25 e 16,00 pontos. O vencimento março/15 era cotado a US$ 3,85 por bushel e os vencimentos mais distantes retornaram ao patamar dos US$ 4,00 por bushel.

De acordo com o consultor de mercado da Brandalizze Consulting, depois das quedas expressivas observadas recentemente, as cotações voltaram a subir. "No nível abaixo dos US$ 3,60, o mercado se torna comprador. Assim, tivemos mais um apelo técnico que deu suporte aos futuros do cereal e fez com que recuperasse o nível dos US$ 4,00 por bushel", destaca.

Além disso, a forte alta observada nos preços do petróleo também acaba influenciando o mercado do cereal. O petróleo subiu mais de 2%, com preço ao redor de US$ 57 o barril. Por outro lado, as especulações em relação ao conflito entre a Ucrânia e Rússia, também ganham espaço no cenário internacional. "Se as exportações ucranianas ficarem comprometidas, em função dessa situação, os mercados asiáticos terão que buscar os grãos nos Estados Unidos e na América do Sul", acredita Brandalizze.

Contudo, o andamento da safra da América do Sul começa a ser observada pelos investidores, conforme sinalizam os analistas. Na Argentina, a safra deverá ser maior do que o esperado e, no caso do Brasil, há a colheita do milho da safra de verão, há relatos de produtividades favoráveis em algumas localidades.

Já segue nosso Canal oficial no WhatsApp? Clique Aqui para receber em primeira mão as principais notícias do agronegócio
Tags:
Por:
Fernanda Custódio
Fonte:
blogabet

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário

    blogabet Mapa do site